Economia de energia

Estratégia Nacional de Energia: melhor, mas os nós permanecem


Os ministros do meio ambiente Corrado Clini e Desenvolvimento Econômico Corrado Passera ontem, 14 de março apresentou o tão esperado Estratégia Nacional de Energia. O texto é o resultado de uma longa (e apreciável) fase de consulta que envolveu mais de 100 associações reunidas e 800 contribuições online.

O que há de novo? Em comparação com a versão colocada em consulta em outubro de 2012, os objetivos definidos para o energias renovável e para oeficiência energética, embora com algumas limalhas para baixo. Particularmente fotovoltaicos parecem ser penalizados, quase reduzido pela metade em seu desenvolvimento.

Algumas segundas melhorias ABRIR Associação de Produtores de Energia Renovável - concerne a uma maior ênfase nas trajetórias de descarbonização pós-2020, uma indicação clara de que nosso país assumirá um papel de liderança na Europa e a introdução esperada de análise de custo-benefício, para quantificar o impactos de SEN nos setores de eletricidade e gás.

Em vez disso, ainda há uma falta de indicação das ferramentas de implementação para atingir os objetivos. Em particular, faltam medidas eficazes tanto para acompanhar o setor das renováveis ​​à paridade da grade ambos para acelerar a inundação integração das energias renováveis ​​no mercado de eletricidade.

Em ambos os casos, o documento apresentado pelos ministros traz algumas sugestões, mas não uma visão orgânica de médio prazo. Dentro setor elétrico não está claro como sair da situação excesso de capacidade o que constitui um elemento de forte conflito de interesses entre osrenováveis e a fontes convencionais.

Partilhamos a opinião da APER quando afirma que: para que a economia verde pode continuar sua trajetória de crescimento nos próximos anos exigirá mais esforços significativos. O novo Parlamento tem a vantagem de ser um bom documento e todos esperamos que se encontre uma convergência que permita o desenvolvimento económico e do emprego no setor verde e perseguir os interesses ambientais do país.


Vídeo: Webinar. Futuro dos resíduos no Brasil (Dezembro 2021).