Entrevistas

GreenLab: eficiência energética para casas novas e antigas


É possível uma mudança radical em direção à eficiência energética máxima na Lombardia? O desafio é aquele lançado por três jovens engenheiros com ideias claras e muita experiência. Para ganhar Isaac Scaramella, Alessandro Fracassi e Alberto Massetti deu à luz GreenLab, uma equipa para desenvolver projectos na área da construção e ordenamento do território com um denominador comum: oatenção à energia, que nunca vai para o lixo.

1) Quando e como você decidiu criar o GreenLab? Sobre o que é isso?

GreenLab nasceu em dezembro de 2012 da ideia de reunir diferentes competências no domínio da construção e do ordenamento do território com um denominador comum: a atenção à eficiência energética, tanto para os novos edifícios como, sobretudo, para o património edificado existente . Assumimos o desafio da economia verde partindo da consciência de que na Lombardia o mundo da construção precisa de uma mudança radical em termos de economia de energia e eficiência.

2) Quem é a equipe?

Somos três jovens profissionais, mas com ideias claras e muita experiência sobre como deve ser o futuro da construção na nossa região e na Itália. Dentro Equipe GreenLab eles trabalham: Alessandro Fracassi, 30 anos, Engenheiro-arquiteto de obras, Alberto Massetti, 33 anos Engenheiro do meio ambiente e do território e Isaac Scaramella Engenheiro civil de 29 anos.

3) Por que você acha que o mundo da construção na Lombardia precisa de uma mudança radical na eficiência energética?

Na Lombardia, o consumo de energia a média dos edifícios é de mais de 200 kWh por metro quadrado por ano, o que traduzido em classe energética significa uma classe G. Um nível muito alto que nos custa caro também em termos de poluição do ar: todos os anos, na Lombardia, 15 milhões de toneladas de CO2 são produzidas exatamente por causa desse alto consumo. É pois claro que construir novos edifícios com elevada eficiência energética não é suficiente para reduzir o consumo da nossa Região, é imprescindível proceder a uma requalificação sistemática dos edifícios, a realizar de forma racional, ou através de auditorias energéticas que identifiquem as prioridades de intervenção. Se nós pudéssemos reduzir pela metade o consumo médio de energia do construído seria um grande sucesso.

4) O que você propõe para a recuperação dos ativos existentes? Quais são os principais problemas a este respeito e que resultados podem ser obtidos? A que custo?

Não é possível definir uma intervenção “standard”, cada edifício merece um estudo detalhado. Em nossa opinião, é prioritário intervir no envelope, porque é inútil ter um sistema de alto desempenho se a energia que ele produz se dispersa desnecessariamente pelas paredes, tectos e janelas. Podemos tomar como exemplo um caso recente de uma casa geminada, atualmente na classe G que, com um custo de cerca de € 30.000, pode ser trazida para a classe C com uma série de intervenções no sistema edifício-planta. Graças ao regime de incentivos atualmente em vigor, os gastos podem ser recuperados em cerca de 13 anos, o que é um curto período de tempo para um bem como uma casa. Além dos benefícios em termos econômicos, deve-se considerar o aumento do conforto habitacional e a oportunidade de uma remodelação arquitetônica.

5) E para novos edifícios?

Para novos edifícios, o padrão deve se tornar imediatamente o construção de "energia quase zero" que a legislação europeia o torna obrigatório a partir de 2020 e na região da Lombardia será a partir do final de 2015. Defendemos que as tecnologias e competências para o fazer já estão disponíveis hoje, então por que esperar? Com um aumento de custos de alguns pontos percentuais, podemos ter edifícios com desempenho muito melhor do que os tradicionais, reduzindo custos de gestão e melhorando a qualidade de vida.

6) Em que consiste o serviço de Análise de Estoque de Habitação?

É um novo serviço de análise do estoque de construção de um único proprietário que é capaz de determinar as prioridades de intervenção com vista a economia de energia. Com um planeamento adequado, é possível intervir em cada edifício, transformando as inevitáveis ​​intervenções de manutenção em oportunidades de melhoria da classe energética e de remodelação arquitectónica, com consequente aumento do valor de mercado do imóvel.

7) Você tem ou pretende colaborar com instituições, associações comerciais ou organismos de pesquisa?

Neste momento estamos participando, como consultores, da elaboração do PAÍS (Planos de Ação para Energia Sustentável) de quatro Municípios da Província de Brescia, um passo muito importante para o planejamento energético territorial. Estamos também a colaborar com a Legambiente Brescia na criação de um balcão de informação à escala provincial sobre poupança energética. Também colaboramos e continuaremos a fazê-lo no futuro em alguns projetos de pesquisa universitária.



Vídeo: Casa Eficiente (Dezembro 2021).