Entrevistas

Eles roubaram sua bicicleta? RuBBici, encontra para você


Ladrões de bicicletas, tremem: RuBBici está online. O site de conselhos para a proteção da sua bicicleta, pré e pós furto, e muito mais: a rede passa a ser um espaço para compartilhar relatos de quem viu sua bicicleta roubada mas também de quem já viu alguma suspeita em algum canto da cidade e ele pensou “talvez pertencesse a alguém que ...”. Há também um mapeamento participativo de lugares suspeitos, cidade por cidade, feito com a ajuda de quem viveu a experiência "na sela". Um site a ser marcado, pelo menos para dar sorte!

1) Sobre o que é o seu site? Como surgiu a ideia?

O site oferece conselhos úteis para quem sofreu o roubo de suas bicicletas, mas a ideia é também tentar criar uma comunidade para incentivar a recuperação das bicicletas graças à colaboração entre os visitantes. Portanto, não é dirigido apenas a quem já teve uma bicicleta roubada, mas também busca conscientizar a população sobre o assunto. O site nasceu em setembro de 2011.

2) Quantos usuários você se cadastrou? Que tipo?

Atualmente nosso base de dados conta 1632 registros de bicicletas roubadas e ainda não encontradas. Por uma escolha ligada à facilidade e rapidez, não é necessário o registo no site, apenas a compilação do formulário com os dados pessoais no momento da publicação de um relatório.

3) Relatos mais frequentes: bicicletas roubadas, suspeitas ou encontradas?

o relatórios mais frequentes, infelizmente, mas também obviamente, são aqueles de "bicicletas roubadas" Algumas das histórias que recolhemos são publicadas numa secção especial do site, "bicicletas encontradas": vamos desde o simples avistamento com contacto directo do dono que recupera a bicicleta, até que, uma noite, convenceu o "dono" da bicicleta que ele foi realmente roubado graças à visualização das fotos em nosso site no smartphone.

4) Quais são os locais suspeitos? Quantos você identificou e como?

Em Milão, por exemplo, relatamos as proximidades da Feira Sinigallia, várias estações de metrô, mas também algumas lojas de bicicletas usadas de origem duvidosa. Em Roma existe o mercado Porta Portese, alguns pequenos parques, em Turim, Porta Palazzo e o mercado balon, adjacente à Piazza della Repubblica, e assim por diante, cidade por cidade, os locais suspeitos estão todos disponíveis no site. Eles foram identificados por uma mistura de fatores, incluindo operações de aplicação da lei, também apoiadas por vozes da vizinhança, avistamentos suspeitos ou mesmo a admissão das mesmas cercas.

5) Anti-furto institucional: do que se trata?

Como é facilmente compreendido, é uma espécie de sistema de identificação. O projeto está paralisado porque é complicado fazer a interface com a administração pública e outras entidades que poderiam contribuir. Deve-se dizer também que, para torná-lo realmente simples e eficaz, o trabalho necessário por trás dele é considerável.

6) E alarmes conectados: do que se trata?

Este é um projeto vinculado ao alarme anti-roubo institucional, mas com alcance limitado. Esses alarmes só seriam úteis em casos específicos.

7) Como funcionam os grupos de pesquisa? Quem participa?

Os grupos de pesquisa não são coordenados por nós. É uma ideia lançada para facilitar os contactos entre os roubados de forma a dividir as “patrulhas” entre eles, mesmo online. No site, de facto, existe uma página especial com a qual se podem organizar grupos de "investigação" organizados, de modo a não percorrer os mercados sozinho, mas sobretudo para poder dividir-se igualmente e por isso ter olhos "em todo o lado e sempre".



Vídeo: Vai fazer o quê? - Roubando a Bicicleta - Fantástico - 25082013 (Dezembro 2021).